fbpx

Como cuidar dos nossos pais idosos

Nem sempre é fácil, mas o segredo é ter paciência, sensibilidade e consideração. O amor nos faz cuidar!

Aleteia | Segunda, 13 Julho 2020 12:12
Como cuidar dos nossos pais idosos

Quando meu avô teve um ataque cardíaco há algumas décadas, ele ficou sem oxigênio por seis minutos. Os paramédicos o reanimaram quatro vezes – uma a mais que o protocolo usual – até que seu coração finalmente voltou a bater.

Nas semanas após receber alta do hospital, ele não conseguia nem ir até a loja, esqueceu como dançar e em duas semanas as memórias recentes haviam desaparecido. Depois de recuperado, ele voltou a ser como era antes (muito gentil), mas com algumas mudanças permanentes. Por exemplo, ele parou de pedir sua própria comida em restaurantes e pedia à minha avó para que cozinhasse para ele. Algo nos menus havia se tornado muito complicado. Eles estavam casados ​​há mais de 60 anos e ela sabia exatamente o que ele queria todas as vezes, por isso deu certo.

À medida que envelhecemos, mudamos. As mudanças não param quando atingimos a idade adulta. É uma transição estranha e constrangedora, que aceita a fragilidade física e a fraqueza da velhice. Um homem mais velho que, durante toda a sua vida, estava acostumado a dirigir seu carro quando e para onde quisesse, agora luta para enxergar o suficiente para dirigir depois do anoitecer. Seus filhos insistem para que ele pare porque temem pela vida dele, mas ele tem orgulho de guiar. Assim, cada vez que seus filhos o castigam, ele fica mais chateado. Uma mulher mais velha está começando a lutar com sua memória. Ela sabe que está esquecendo algo, mas é tudo o que consegue se lembrar. Ela lembra que esqueceu. Ela já está frustrada e deprimida quando um de seus filhos diz algo desdenhoso sobre como ela sempre esquece tudo.

Ajudar nossos pais a envelhecer graciosamente exige paciência, sensibilidade e consideração. Uma das experiências mais assustadoras da vida é a sensação de perder o controle. É importante lembrar que nossos pais, na velhice, têm esse medo e a tarefa (para eles e para nós) não é fácil. Com o avanço da idade, eles não se tornam simplesmente rabugentos, mas encaram uma tarefa muito difícil: preparar-se para o fim da vida. Não consigo imaginar como isso deve ser estressante.

Eu estou no auge da minha vida. Todos os dias acordo cheio de energia. Faço uma xícara de café. Eu bebo com uma mão firme e leio um livro, vendo claramente todas as letras e palavras. Lembro de tudo o que li. Mais tarde, saio para uma corrida, geralmente por 16 quilômetros ou mais. Estou em melhor forma agora do que quando era adolescente. Em termos gerais, sou bastante saudável, sem limitações em minha dieta ou atividades. Eu não tomo remédio. Eu raramente vou a um médico. Às vezes, porém, quando me sento na varanda e vejo o sol nascer, me pergunto quanto tempo isso vai durar. Estou com medo do dia em que não poderei mais correr ou não conseguir enxergar o suficiente para ler. Como vou lidar com isso? Só espero que eu faça tão bem quanto meus avós e meus pais.

A beleza da família é que nunca estamos sozinhos. Quando eu era criança, precisava que meus pais cuidassem de mim. Eles forneceram tudo – comida, roupas, abrigo, educação. Eu era fraco e eles eram fortes. Algum dia no futuro, eles serão fracos, mas eu serei forte. Na própria família, não importa a condição dos membros, sempre há força. Essa força é compartilhada pelo amor mútuo. É o que torna uma família tão preciosa.

Em uma família, cuidar de pais idosos é tão importante quanto a dedicação à criação dos filhos. Esse cuidado será diferente em todas as famílias. Conheço muitas pessoas mais velhas que permaneceram bastante independentes e viveram em casa até o dia da morte. Tudo o que eles queriam dos filhos era o prazer da companhia. Seus filhos faziam questão de visitá-los frequentemente e incluí-los em eventos familiares. Meus pais, por exemplo, costumavam levar nossos avós para passar férias com eles. Outros pais idosos foram acolhidos por seus filhos para morar com eles em período integral.

Por mais que cuidemos de nossos pais em particular, o denominador comum é que, à medida que as pessoas envelhecem, mesmo que comecem a precisar de ajuda, elas ainda devem ser respeitadas. Eles ainda são nossos pais. Eles têm suas próprias opiniões e querem exercer controle sobre suas vidas. De certa forma, tudo o que eles querem é serem reconhecidos, amados e respeitados.

Cuidar de pais mais velhos não é insistir em fazer tudo por eles. Trata-se de fornecer apoio emocional, capacitá-los a manter o controle sobre seu próprio destino e expressar gratidão e amor.

É uma transição difícil, que filhos e pais precisam de força para realizar. Eu já vi isso acontecer de inúmeras maneiras em inúmeras famílias, então é definitivamente possível. Ajudar nossos pais a envelhecer com dignidade é um presente precioso que podemos dar a eles e que, por sua vez, nossos filhos um dia nos darão.