fbpx

Papa no Angelus: a alegria é a regra para os cristãos

Ao rezar o Angelus com os fiéis no III Domingo do Advento, o Papa falou sobre a alegria cristã, que consiste em descentralizar-se de si mesmo e colocar Jesus no centro. "Isso não é alienação, porque Jesus é efetivamente o centro, é a luz que dá sentido pleno à vida de cada homem e mulher que vem a este mundo."

Vatican News | Segunda, 14 Dezembro 2020 13:00
Papa no Angelus: a alegria é a regra para os cristãos Vatican Media

Alegria: esta foi a palavra predominante do Evangelho de hoje, comentado pelo Papa Francisco antes de rezar o Angelus com os fiéis reunidos na Praça São Pedro.

Este III Domingo do Advento, explicou o Pontífice, é marcado sobretudo pela alegria. O motivo é que o Senhor está chegando, está perto de nós.

“Esta é uma regra para os cristãos. Uma vez, um filósofo dizia algo mais ou menos assim: 'Mas eu não entendo como se pode crer hoje, porque quem diz acreditar tem o rosto de funeral. Não dão testemunho da alegria da ressurreição de Jesus Cristo'. E muitos cristãos com aquela cara...Sim, cara de funeral, e tristeza. Mas Cristo ressuscitou! Cristo o ama! Pensemos nisto: 'Estou feliz porque o Senhor está perto de mim? Porque o Senhor me ama? Porque o Senhor me redimiu?”

O Evangelho segundo João apresenta o personagem bíblico que – com exceção de Maria e José – por primeiro e mais intensamente viveu a espera do Messias e a alegria de vê-lo chegar: João o Batista.

“O Batista é a primeira testemunha de Jesus, com a palavra e com o dom da vida”, afirmou Francisco. Ele realizou a sua missão indicando Jesus como o Cristo, o Enviado de Deus prometido pelos profetas.

Sempre indicando o Senhor

Não obstante fosse um líder no seu tempo, João não cedeu nem mesmo por um instante à tentação de atrair a atenção sobre si: ele sempre orientava para Aquele que estava por vir.

“Eis a primeira condição da alegria cristã: descentralizar-se de si e colocar Jesus no centro. Isso não é alienação, porque Jesus é efetivamente o centro, é a luz que dá sentido pleno à vida de cada homem e mulher que vem a este mundo.”

O Senhor está no centro, disse ainda o Papa. Os santos, inclusive, estão fora, indicando o Senhor. "E quem não indica o Senhor, não é santo."

É o mesmo dinamismo do amor que me leva a sair de mim mesmo não para me perder, mas para me reencontrar enquanto me dou, enquanto busco o bem do outro.